Dezembro musical no Memorial Vale - Santa Tereza Tem
Logo

Dezembro musical no Memorial Vale

O Memorial Vale de dezembro traz uma programação cheia do suingue do melhor da música popular brasileira. A Orquestra DoContra, formada por um quinteto de contrabaixos, Gisele Couto com uma homenagem ao samba, Célio Balona e o grupo Latinidad, a flautista Marcela Nunes, no projeto Mulheres na Música, que tem a curadoria da Orquestra Ouro Preto, a Cia dos Anjos e o Blues do Morro. Os shows acontecem até o dia 20 de dezembro, quando estará valendo o horário estendido para o funcionamento do Memorial, que é: do dia 10 ao dia 21 de dezembro, às terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 20h30, com permanência até as 21h. Nos dias 24, 25, 31/12 e 01/01/2020 o museu estará fechado.

Nas artes visuais, até 8 de dezembro segue a mostra “O Suor da Testa Mora Dentro dos Marimbondos”, do artista barranqueiro de Pirapora, Davi de Jesus do Nascimento, que tem seu trabalho escolhido dentro da curadoria do Edital Novos Artistas Mineiros do Memorial Vale. O trabalho dele será substituído no dia 14 de dezembro pela exposição “Situações”, de Sara Não Tem Nome, concluindo o ciclo 2019-2020 do Edital. Sara é cantora, compositora e artista e apresenta, em sua primeira exposição individual, obras representativas de seu universo criativo múltiplo, em que diversas linguagens como música, fotografia, videoclipe, poesia, fotoperformance, vídeo e livro de artista se colocam em contágio. A exposição de Sara Não Tem Nome segue até 21 de fevereiro.

Até o dia 2 de fevereiro a pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Diálogos Com Novos Pesquisadores do Memorial Vale apresentará a exposição “Vozes Atlânticas”. Nessa mostra ela revela o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original. A exposição mostra fotografias e objetos da época, contando os passos desses dois personagens nos lugares onde eles viveram e resistiram a toda a opressão portuguesa.

No espaço do Café do Memorial, vale conferir (até o dia 6 de fevereiro de 2020) as belas fotografias da mostra “Urbanus”, de Gustavo Dragunskis e Natália Lima. Eles apresentam inusitados registros de diferentes cidades ao redor do mundo.

Todas as atividades e atrações são gratuitas, sujeitas à lotação das salas. O Memorial Minas Gerais Vale fica na Praça da Liberdade, 640, esq. Gonçalves Dias.

CONFIRA OS DETALHES:
05/12 – DIÁLOGOS COM NOVOS PESQUISADORES: TRÂNSITOS ATLÂNTICOS

No dia 5 de dezembro, quinta-feira, às 19 horas a pesquisadora Thais Tanure convida os professores Alexandre Marcussi (UFMG) e Rogéria Alves (UEMG) para um bate papo acerca de temas relativos a exposição Vozes Atlânticas. A exposição faz parte da pesquisa “O Degredo dos Escravizados”, em que é revelado como a inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII dava pena de degredo para os cidadãos que praticavam atos considerados, na época, heresia ou feitiçaria. O destaque é dado para dois personagens africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original. Entrada gratuita. Sujeito a lotação. Retirada de senhas uma hora antes do evento.

07/12 – RODA DE CONVERSA: A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL NAS FAVELAS COM APRESENTAÇÃO DA CIA DOS ANJOS E BLUES DO MORRO
No dia 7 de dezembro, sábado, às 13h30, o projeto Diversidade Periférica traz um debate sobre a produção audiovisual feita nas favelas. O objetivo é revelar como os moradores dessas comunidades têm feito seus registros sobre sua vida cotidiana e sobre a cultura e o que isso significa para eles. Pelo olhar da favela, registrar é ferramenta para descolonizar. O protagonismo tem se dado em todas as áreas da produção audiovisual, proporcionando representatividade, visibilidade e inclusão. Serão exibidos slides de algumas produções de vídeo e, em seguida, acontecerá a roda de conversa com os cineastas e videomakers Pedrão (Pedro Henrique Monteiro Moreira), Marcão (Marcos Donizetti da Silva), Cristiano Rato e Gabi Matos. Em seguida, haverá a apresentação de dança da Cia dos Anjos e o show do grupo Blues do Morro. A entrada é gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

7/12 e 8/12 – FEIRA DO MEMORIAL VALE – ARTE E DESIGN EM PRESENTES CRIATIVOS
A Feira do Memorial Vale – Arte e Design em Presentes Criativos acontecerá no final de semana dos dias 7 e 8 de dezembro. A feira acontece desde 2015 sempre com muitas novidades em produtos para decorar ou presentear de maneira fora do convencional. O evento coloca em contato os artistas e o público, numa oportunidade de conhecer e adquirir trabalhos criativos, originais e exclusivos, e curtir uma atmosfera descontraída, com a participação de DJs convidados. No sábado, a feira acontece das 10h às 17h30, com permanência até 18h e, no domingo, das 10h às 15h30, com permanência até 16h. Entrada gratuita.

11/12 – O SAMBA NÃO TEM FRONTEIRAS, COM GISELE COUTO, EM HOMENAGEM AO DIA DO SAMBA
No dia 11 de dezembro, quarta, às 19 horas, a cantora e compositora Gisele Couto fará, em homenagem ao Dia do Samba, o show “O Samba não tem fronteiras”, com canções inéditas de autoria dela e de compositores mineiros da atualidade. Este evento integra o projeto Memorial Autoral do Memorial Minas Gerais Vale. Entrada gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

12/12 – MULHERES NA MÚSICA COM A FLAUTISTA MARCELA NUNES
No dia 12 de dezembro, quinta, às 19 horas acontece a última apresentação de 2019 do projeto Mulheres na Música, que tem a curadoria da Orquestra Ouro Preto: o show da flautista e compositora Marcela Nunes. Bacharel em Flauta Transversal e Mestre em Performance Musical pela Escola de Música da UFMG, Marcela é vencedora do 19º Prêmio BDMG Instrumental em 2019, participa ativamente da cena musical de Belo Horizonte, apresentando seu trabalho como intérprete e compositora e integra os grupos Choro Nosso e o quinteto da pianista Luísa Mitre. Em 2015 lançou o Cd autoral Em Casa, em parceria com o músico Renato Muringa. A entrada é gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

13/12 – SHOW LATINIDAD COM CÉLIO BALONA, RICARDO CHEIB, LÍVIA ITABORAHY, KIKO MITRE E RICARDO SALDANHA
No dia 13 de dezembro, sexta-feira, às 19 horas, o projeto Gerais Cultura de Minas traz ao Memorial Vale o show Latinidad, que passeia por tangos, boleros e clássicos de compositores latino americanos. No palco, pela primeira vez juntos, o acordeonista Célio Balona, a cantora Lívia Itaborahy o violinista Renato Saldanha, o contrabaixista Kiko Mitre e a percussão de Ricardo Cheib. Entrada gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

14/12 – MÚSICA DE BRECHÓ
No dia 14 de dezembro, sábado, às 19 horas, o Memorial Vale recebe o espetáculo cênico musical que relembra a boa música dos velhos tempos. Como num brechó, músicas de Chiquinha Gonzaga a Carlos Gardel, passando por Edith Piaf, Sílvio Caldas entre outros, em um repertório que emociona por sua delicadeza, melodia e poesia das composições. O ator e cantor Marcio Miranda interpreta as canções, acompanhado pela pianista Graça Bastos, com André Vieira no violino, Adilson Pinto no violão e Georges Succar na percussão. Conta ainda com as participações de Vânia de Morais, Wolney de Oliveira e Beto Plascides nos vocais. Este evento integra o projeto Contemporâneo, do Memorial Minas Gerais Vale. A entrada é gratuita, sujeita a lotação e com retirada de senhas uma hora antes do evento.

14/12– ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “SITUAÇÕES” DE SARA NÃO TEM NOME
No dia 14 de dezembro, sábado, às 11h, acontece a abertura da exposição “Situações”, de Sara Não Tem Nome, concluindo o ciclo 2019-2020 do Edital de Novos Artistas Mineiros do Memorial Minas Gerais Vale. Sara é cantora, compositora e artista e apresenta, em sua primeira exposição individual, obras representativas de seu universo criativo múltiplo, em que diversas linguagens como música, fotografia, videoclipe, poesia, fotoperformance, video e livro da artista se colocam em contato. As ações e formas híbridas com que produz suas narrativas e experimentos dão protagonismo à presença de seu corpo-imagem, constantemente um elemento problematizador e revelador dos contextos nos quais se insere. O Comitê de seleção do Edital foi formado por Júlio Martins, Maria Angélica Melendi, Wagner Tameirão, Gabriela Brasileiro e Gustavo Rodrigues. A exposição fica até o dia 21 de fevereiro. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial.

20/12– ORQUESTRA DOCONTRA
No dia 20 de dezembro, sexta, às 19 horas, a Orquestra DoContra – um quinteto de contrabaixos – se apresenta no Memorial Vale. O quinteto é formado por Neto Bellotto, Walace Mariano, Pablo Guinez, Rebeca Tavares e Valdir Claudino, contrabaixistas da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, que se reuniram por serem apaixonados e engajados em suas profissões. O grupo de jovens musicistas procura difundir o som do contrabaixo e, em seus concertos, explora todas as possibilidades de repertórios possíveis para o instrumento, proporcionando ao público uma nova maneira de se ouvir a música popular brasileira. O repertório conta com composições de Flavio Venturini, Milton Nascimento, e Tom Jobim, entre outros. Este evento integra o projeto Contemporâneo, do Memorial Minas Gerais Vale. Entrada gratuita, sujeita a lotação. Retirada de senhas uma hora antes do evento.

EXPOSIÇÕES
ATÉ 8 DE DEZEMBRO
– “O SUOR DA TESTA MORA DENTRO DOS MARIMBONDOS”
O Edital Novos Artistas no Memorial Minas Gerais Vale 2019 apresenta o trabalho do artista barranqueiro de Pirapora Davi de Jesus do Nascimento com a exposição “O suor da testa mora dentro dos marimbondos”. São obras feitas a partir de sua vivência às margens do rio São Francisco; entre elas, ossadas de peixes e fotografias da família com textos poéticos sobre as fotos. A curadoria é de Júlio Martins e o comitê de seleção foi formado por Maria Angélica Melendi, Wagner Tameirão, Gabriela Brasileiro e Gustavo Rodrigues. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial Vale.

ATÉ 6 DE FEVEREIRO – URBANUS, DE GUSTAVO DRAGUNSKIS E NATÁLIA LIMA
No dia 19 de outubro, sábado, às 11 horas, será aberta a exposição fotográfica Urbanus, com os trabalhos de Gustavo Dragunskis e Natália Lima. São fotos de momentos cotidianos em diversas cidades do mundo que revelam similaridades entre os lugares, apesar de pertencerem à contextos geográficos e sociais distintos. A exposição seguirá até o dia 6 de fevereiro de 2020 no espaço do Café do Memorial Vale. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial.

ATÉ 2 DE FEVEREIRO – EXPOSIÇÃO VOZES ATLÂNTICAS, DE THAÍS TANURE
Até o dia 2 de fevereiro a pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Diálogos Com Novos Pesquisadores do Memorial Vale apresentará a exposição “Vozes Atlânticas”. Nessa mostra ela revela o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original. A exposição mostra fotografias e objetos da época, contando os passos desses dois personagens nos lugares onde eles viveram e resistiram a toda a opressão portuguesa. Entrada gratuita, no horário de funcionamento do Memorial Vale.

DE 14/12 ATÉ 21 DE FEVEREIRO – EXPOSIÇÃO “SITUAÇÕES” DE SARA NÃO TEM NOME
No dia 14 de dezembro, sábado, às 11h, acontece a abertura da exposição “Situações”, de Sara Não Tem Nome, concluindo o ciclo 2019-2020 do Edital de Novos Artistas Mineiros do Memorial Minas Gerais Vale. Sara é cantora, compositora e artista e apresenta, em sua primeira exposição individual, obras representativas de seu universo criativo múltiplo, em que diversas linguagens como música, fotografia, videoclipe, poesia, fotoperformance, video e livro da artista se colocam em contato. As ações e formas híbridas com que produz suas narrativas e experimentos dão protagonismo à presença de seu corpo-imagem, constantemente um elemento problematizador e revelador dos contextos nos quais se insere. O Comitê de seleção do Edital foi formado por Júlio Martins, Maria Angélica Melendi, Wagner Tameirão, Gabriela Brasileiro e Gustavo Rodrigues. A exposição fica até o dia 21 de fevereiro. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial.

ATIVIDADES EDUCATIVAS
O Educativo do Memorial Vale convida para novas experiências de aprendizagem, descoberta e encantamento em relação à arte, a história e a cultura mineiras. Para dezembro as propostas são as seguintes:

Ação Educativa – Exposição “o suor da testa mora dentro dos marimbondos”
Nos domingos dia 1º e 8 de dezembro, de 11h às 12h, a partir da obra Davi de Jesus do Nascimento em exposição nas galerias 1 e 2 do terceiro piso do Memorial Vale, o Educativo convida os visitantes a refletirem e a experienciarem as memórias e os gestos presentes nessa mostra. Uma mala antiga e produtos naturais como sementes, pequi e camarão seco são oferecidos aos visitantes em vasilhames de vidro para, através do cheiro, provocar uma memória sobre o rio. A proposta é atrair a atenção para as subjetividades e potências dos corpos d’água e das vidas que habitam com eles. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Instalação Educativa – Sementes da Diáspora
No baobá que fica na Sala de Leitura, estão penduradas fotografias de personalidades da cultura negra, com suas minibiografias. Em cada foto estão pendurados saquinhos de arroz, para lembrar que as mulheres escravizadas penduravam saquinhos de arroz em seus filhos, para o caso delas se separarem deles, para eles não passarem fome. A ação mostra que é preciso re-conhecer. conhecer para desmistificar, compreender, democratizar. Reconhecer para reverenciar e impulsionar. Re-conhecer para que o esquecimento ou o apagamento não transforme em silêncio a bravura dos que ousaram. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Para celebrar o aniversário de Belo Horizonte: HORIZONTE DE CONCRETO
Quem não gosta de uma narrativa envolvente, aquela que te transporta a outro tempo, a outro lugar? E se esse relato revelasse as minúcias e os enigmas de Belo Horizonte? Aproveite essa oportunidade de rememorar o surgimento da nova capital e os desdobramentos da sua história de uma forma inusual. A história da capital mineira é contada para visitantes de todas as idades, com uma versão em áudio para cegos e em desenhos para surdos. Uma oportunidade para toda a família. Não é necessário inscrição prévia. Duração: aos domingos às 11h e às 11h30 (cada sessão tem a duração de 30 minutos). Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Sessões Dialogadas
Diálogos alusivos às temáticas de algumas salas serão propostos aos visitantes por meio de alguns objetos que têm a ver com cada exposição, para estimularem as pessoas a falarem sobre elas, buscando novas leituras e abordagens. Aos sábados às 14h e 15h e aos domingos, às 12h, 14h e 14h30. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Visita com o Kit Trilha da Infância
A criançada pode “explorar” o Memorial de maneira mais divertida e interessante. Peça o Kit na Recepção. Ao final da visita, ele deve ser devolvido para que outras crianças possam vivenciar essa experiência.

SERVIÇO
Programação de DEZEMBRO do Memorial Minas Gerais Vale
Horário: Conforme programação
ENTRADA GRATUITA, sujeita a lotação das salas
Horário de funcionamento de dezembro: do dia 10 ao dia 21 de dezembro, às terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 20h30, com permanência até as 21h. Nos dias 24, 25, 31/12 e 01/01/2020 o museu estará fechado.

Anúncios