O mês da Consciência Negra no Memorial Minas Gerais Vale - Santa Tereza Tem
Logo

O mês da Consciência Negra no Memorial Minas Gerais Vale

A programação do mês de novembro no Memorial Minas Gerais Vale começa com muita alegria em uma roda de samba. A apresentação será neste domingo dia 3 de novembro com Sérgio (Xuxu) e Wallace (Fumaça), acompanhados de Fabinho do Terreiro, Dona Eliza e os grupos Sambakana e Os Neguinhos, evento que faz parte do projeto Diversidade Periférica. As homenagens ao Mês da Consciência Negra acontecem com a exibição do filme “Minha Raiz”, da cineasta Labibe Araújo e do episódio I da série “Vendedor de Sonhos”, do Coletivo Coisa de Preto e um bate-papo com a cineasta e o educador Henrique Bedetti. A pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Novos Pesquisadores do Memorial Vale abrirá a exposição “Vozes Atlânticas” e também fará a palestra “O Degredo dos Escravizados”, para contar o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original.

O Educativo do Memorial também planejou atividades e oficinas para receber os visitantes homenageando a cultura negra, entre elas, a oficina de turbantes e estamparias, a confecção de bonecas abayomi e uma ação com bebês utilizando elementos da cultura afro.

De 7 a 24 de novembro, o Memorial Vale recebe várias atrações dentro do projeto Longeviver, evento cultural focado na terceira idade e realizado pelo Grupo Cultural Meninas de Sinhá. Entre elas estarão oficinas de rede sociais (com Gal Rosa) e de fotos para celular (com Cecília Pedersolli); além de roda de conversa com Roberta Zampetti, Múcio Bolivar e Dona Jandira.

Os concertos da série “Mulheres na Música”, com a curadoria da Orquestra Ouro Preto, nesta edição trazem as cantoras Jurema e Nair de Cândia, acompanhadas ao violão pelo maestro Jaime Alem, na apresentação “Os dias eram assim”, em que fazem um repertório cantado ao longo das décadas de 1960 e 1970, com inspiração na canção “Aos Nossos Filhos”, de Ivan Lins e Vitor Martins.

Um bate-papo seguido de desfile será realizado pelos integrantes do Centro Cultural Lá da Favelinha. Eles apresentarão o Negócio Remexe, que produz moda dentro do Aglomerado da Serra.

E fechando a programação, o grupo cultural “Lavadeiras de Ipoema”, formado por 13 cantadeiras da região de Itabira, irá lançar seu primeiro CD, um álbum que valoriza a ancestralidade dos cantos tradicionais das lavadeiras, e que ressignifica as canções populares.

Nas artes visuais, segue até o dia 3 de novembro a exposição “Bordado em Memórias” de Isabella Brandão. Até 8 de dezembro segue a mostra “O Suor da Testa Mora Dentro dos Marimbondos”, do artista barranqueiro de Pirapora, Davi de Jesus do Nascimento, que tem seu trabalho escolhido dentro da curadoria do Edital Novos Artistas Mineiros do Memorial Vale.

No espaço do Café do Memorial, vale conferir (até o dia 6 de fevereiro de 2020) as belas fotografias da mostra “Urbanus”, de Gustavo Dragunskis e Natália Lima. Eles apresentam inusitados registros de diferentes cidades ao redor do mundo.

Todas as atividades e atrações são gratuitas, sujeitas à lotação das salas. O Memorial Minas Gerais Vale fica na Praça da Liberdade, 640, esq. Gonçalves Dias.

PROGRAMAÇÃO
03/11 – RODA DE SAMBA COM SÉRGIO (XUXU) E WALLACE (FUMAÇA)

No domingo, dia 3 de novembro, haverá uma roda de samba com Sérgio (Xuxu) e Wallace (Fumaça), com a participação de Fabinho do Terreiro, Dona Eliza e os grupos Sambakana e Os Neguinhos. O samba é a marca ancestral dos ritmos que começaram nas favelas, com muita riqueza cultural e transmissão de saber. A apresentação faz parte do projeto Diversidade Periférica e será às 11 horas, com entrada gratuita, sujeita a lotação.

07/11 – MULHERES NA MÚSICA COM JUREMA E NAIR DE CÂNDIA, E JAIME ALEM – COM A CURADORIA DA ORQUESTRA OURO PRETO
No dia 7 de novembro é a vez do concerto da série “Mulheres na Música”, com a curadoria da Orquestra Ouro Preto. Nesta edição, se apresentam as cantoras Jurema e Nair de Cândia, acompanhadas ao violão pelo maestro Jaime Alem, na apresentação “Os dias eram assim”, em que fazem um repertório cantado ao longo das décadas de 1960 e 1970, com inspiração na canção “Aos Nossos Filhos”, de Ivan Lins e Vitor Martins. O evento será quinta-feira, dia 7 de novembro, às 19 horas, com entrada gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

7/11 A 24/11 – LONGEVIVER – SABERES QUE SÓ O TEMPO CONSTROI
Atividades voltadas para a terceira idade, programadas pelo Grupo Cultural Meninas de Sinhá. A participação é gratuita, e por ordem de chegada. A proposta do Encontro Longeviver é trazer um novo olhar sobre os idosos que serão mais que espectadores, mas atores primordiais das ações. Com a presença de artistas e oficineiros, serão exaltados os saberes e demonstrado, aos participantes, que, sim, é possível estar ativo e produtivo após os 60 anos. Ao afastar o pensamento antiquado de que “velhice” seria o fim da vida, traz-se à tona um novo conceito em que a idade não deve ser negada, mas sim compreendida. O Longeviver valoriza a autonomia da pessoa idosa e pretende auxiliar na transformação de sua autopercepção em relação às possibilidades de socialização e fruição na cidade. Através dessa ótica, é possível iniciar uma nova forma de aproveitar momentos por meio do exercício do corpo e da mente, da troca de experiências e da valorização de saberes que só o tempo constrói. As atividades seguirão temas distintos de valorização. Mais informações no site www.meninasdesinha.org.br/longeviver .

Confira:
Dia 7 de novembro, quinta, de 13h às 17 horas – oficina de redes sociais com Gal Rosa. A tecnologia recriou o mundo de forma muito rápida e não deu tempo de todos se adaptarem às suas exigências. Quem chega hoje à fase dos 60+ sabe muito bem disso. É com o objetivo de contribuir para a redução dessa barreira tecnológica que limita tantas relações sociais e a comunicação que a oficina #60+Tech acontece.

Dia 15 de novembro, sexta, de 13h às 17 horas – produção de fotos pelo celular ou câmera com Cecília Pedersoli. Botando Reparo é uma oficina de fotografia voltada para o público 60+ que quer descobrir a beleza que existe em todo lugar. Usando câmeras de celular vamos registrar juntos descobertas e postar nas redes sociais. A proposta incentiva a observação de elementos básicos no universo da fotografia, como luz e sombra, cor, forma e composição.

Dia 21 de novembro, quinta, às 19 horas – Espetáculo Seu Geraldo, Voz e Violão com Grupo Pigmaleão. Seu Geraldo é um violeiro e cantor de setenta e três anos. É uma figura singular que gosta de falar com a sua plateia sem barreiras, sobre o assunto que a ocasião mandar. Faz seu show ao lado da namorada Dona Catarina, de oitenta e um anos, e Ana, sua irmã. Os três relembram músicas antigas e sempre surpreendem pela escolha deu seu repertório e pelo teor inesperado até de suas conversas mais triviais. Seriam três idosos como outros tantos, não fossem eles marionetes de fios esculpidas em madeira absolutamente conscientes de que são seres humanos normais com os mesmos direitos e deveres de qualquer cidadão.

Dia 22 de novembro, sexta, das 16h às 18 horas – Debate sobre Políticas Públicas para Idosos. Em Belo Horizonte, a população idosa já ultrapassa 370 mil pessoas, e, diante dos desafios do crescente envelhecimento da população, faz-se necessário discutir e avaliar políticas públicas promovidas pelas entidades dos executivos Federal, Estadual e Municipal, que buscam garantir um envelhecimento digno. Para debater a política de envelhecimento e analisar a efetividade das ações e medidas executadas, serão convidados membros do poder público municipal e estadual e da sociedade civil, de forma a ampliar o acesso às informações de agendas governamentais e criando condições de maior participação nas discussões e decisões que garantam os direitos fundamentais dos idosos em diversas frentes, como saúde, assistência social, previdência, moradia, transporte, educação, cultura, esporte e lazer.

Dia 23 de novembro, sábado, das 10h às 12 horas – Roda de Conversa “Meios de Comunicação de ontem e de hoje. Um bate-papo saudoso mas também contemporâneo com Múcio Bolivar, Roberta Zampetti e Vovó Neuza. Intervenção artística com Dona Jandira. Histórias dos meios de comunicação, com imagens ilustrativas dos equipamentos e tecnologias utilizados ao longo do tempo: uma sequência cronológica que discute o avanço do conceito da ação comunicativa e coloca em pauta reflexões sobre as relações sociais de hoje principalmente para o público 60+.

Dia 23 de novembro, sábado, da 14h às 16 horas – Longeviver para o Futuro. Com Beltrina Corte e Vera Brandão (Portal do Envelhecimento, SP), e intervenção artística de Ephigênia Lopes (uma das Meninas de Sinhá). Todos querem viver muito e bem! Como fazer frente ao grande desafio do longeviver já que a população com 60 anos é a que mais cresce de modo significativo em todo mundo? Esta é a realidade com a qual nos deparamos cotidianamente. A roda de conversa tem como objetivo partilhar experiências e informações sobre temas variados visando esclarecer dúvidas e ampliar nossos conhecimentos para longeviver com qualidade e apoiar aqueles que já alcançaram esta etapa da existência. Apesar da modernidade e o acesso cada vez mais fácil às informações, percebemos que ainda existem preconceitos e informações desencontradas a respeito desta fase da vida humana. A informação correta e bem fundamentada é a melhor maneira para entender e viver bem esse ‘novo tempo’, e poder apoiar aos que já estão na fase mais avançada.

09/11 – BATE-PAPO SOBRE ECONOMIA CRIATIVA: CASE REMEXE, COM DESFILE DO “FAVELINHA FASHION WEEK”
No dia 9 de novembro, sábado, às 11 horas, haverá um bate-papo sobre Economia Criativa seguido do desfile “Favelinha Fashion Week” com os integrantes do Centro Cultural Lá da Favelinha. Eles apresentarão o Negócio Remexe, que produz moda upcycling dentro do Aglomerado da Serra. O grupo se consolidou como um negócio criativo e gera renda para os participantes. A apresentação, que faz parte do projeto Contemporâneo do Memorial Vale, tem o apoio da Fundação Vale por meio do Programa Empreendedorismo Social Comunitário e conta com a execução do Instituto Kairós e da companhia inglesa de teatro participativo Zu-UK. Entrada gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

09/11 – ABERTURA DA EXPOSIÇÃO VOZES ATLÂNTICAS, DE THAÍS TANURE
No dia 9 de novembro, sábado, às 12h30, a pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Novos Pesquisadores do Memorial Vale apresentará a exposição “Vozes Atlânticas”. Nessa mostra ela revela o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original. A exposição mostra fotografias e objetos da época, contando os passos desses dois personagens nos lugares onde eles viveram e resistiram a toda a opressão portuguesa. Entrada gratuita, no horário de funcionamento do Memorial Vale. A exposição segue até o dia 2 de fevereiro de 2020.

10/11 – SHOW “UM BRASIL NAS DEZ CORDAS, COM ARNALDO FREITAS E FERNANDO SODRÉ
No dia 10 de novembro, domingo, às 11 horas, o projeto Gerais Cultura de Minas traz ao Memorial Vale o show “Um Brasil nas Dez Cordas”, com os violeiros Arnaldo Freitas e Fernando Sodré. Eles fazem uma apresentação inspirada na viola instrumental moderna, alterando o senso comum sobre o instrumento e revelando uma viola multifacetada, explorando suas possibilidades. No repertório, clássicos do cancioneiro popular e temas autorais. Entrada gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

17/11 – CANCÕES E BRINCADEIRAS MUSICAIS COM WEBER LOPES E GEOVANNE SASSÁ
No dia 17 de novembro, domingo, às 11 horas, é a vez do Projeto Eu, Criança, no Museu! trazer música ao Memorial Vale. Weber Lopes e Geovanne Sassá presenteiam o público com canções que fazem parte da trajetória do grupo Pé de Sonho e se divertem com a plateia por meio de jogos e brincadeiras que vão fazer a alegria de todos. A entrada é gratuita, sujeita a lotação e com retirada de senhas uma hora antes do evento.

21/11 a 29/11 – IMAGENS NEGRAS: POR UM AUDIOVISUAL DESCOLONIZADOR
No dia 21 de novembro, quinta-feira, às 19 horas, acontece a exibição do filme “Minha Raiz”, da cineasta Labibe Araújo e do episódio I da série “Vendedor de Sonhos”, do Coletivo Coisa de Preto, seguida de roda de conversa com a cineasta Labibe Araújo e com o educador Henrique Bedetti. Eles abordarão o tema: “Imagens Negras: por um audiovisual descolonizador”. A partir daí, o filme e o episódio ficarão em exibição em looping até o dia 29 de novembro, no horário de funcionamento do Memorial. A entrada é gratuita, sujeita a lotação.

26 e 27/11 – ENCONTRO ENTRE EDUCADORES
Nos dias 26 e 27 de novembro, terça e quarta-feira, das 9h às 11 horas no dia 26, e de 14h às 16h no dia 27, o Educativo do Memorial Vale realiza o Encontro entre Educadores. Trata-se de um encontro mensal voltado para os profissionais das instituições que visitam o espaço do museu com seus alunos, guias de turismo, ou pessoas que tenham interesse em conhecer o trabalho do Educativo e a educação museal. A proposta é ampliar a relação entre educação e cultura, escola e museu, e propor novos diálogos. Um dos assuntos levantados nesses encontros é a possibilidade de escolha – por parte da escola/educador visitante – do percurso temático a ser explorado durante a visita. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo telefone: (31) 3343-7317. O interessado deverá optar por uma das datas.

26/11 – PROJETO NOVOS PESQUISADORES APRESENTA THAÍS TANURE
No dia 26 de novembro, terça-feira, às 12h30, a pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Novos Pesquisadores do Memorial Vale fará a palestra “O Degredo dos Escravizados”, para contar o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria original. Entrada gratuita, sujeita a lotação.

28/11 – BATE-PAPO COM O ARTISTA DAVI DE JESUS DO NASCIMENTO SOBRE A EXPOSIÇÃO “O SUOR DA TESTA MORA DENTRO DOS MARIMBONDOS”
No dia 28 de novembro, quinta-feira, às 19 horas, o artista plástico Davi de Jesus do Nascimento irá conversar com o público sobre seu processo criativo na exposição “O suor da testa mora dentro dos marimbondos”, integrante do Edital Novos Artistas no Memorial Minas Gerais Vale 2019. São obras feitas a partir de sua vivência às margens do rio São Francisco; entre elas, ossadas de peixes e fotografias da família com textos poéticos sobre as fotos. Participarão do bate-papo o curador Júlio Martins e os integrantes do comitê de seleção, a professora Maria Angélica Melendi e o artista Gustavo Rodrigues. A entrada é gratuita, sujeita a lotação.

30/11 – LANÇAMENTO DO CD LAVADEIRAS DE IPOEMA
No dia 30 de novembro, sábado, às 15 horas, o grupo cultural Lavadeiras de Ipoema lança seu primeiro CD. Em versos e melodias, o lançamento é o registro do encontro das 13 cantadeiras com mais de 15 anos de história, grupo que se consolidou como um patrimônio vivo da cultura de Minas Gerais. Por meio do seu canto, estas mulheres resgatam memórias e lembranças de outros tempos. Reinventam a tradição de um oficio que vai além da lida do cotidiano, mas que é também um espaço de compartilhamento de saberes e sonhos. O álbum é uma referência à ancestralidade dos cantos tradicionais das lavadeiras e ressignifica antigas canções populares que as mulheres costumavam cantar enquanto trabalhavam na beira do rio. A entrada é gratuita, sujeita a lotação, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

EXPOSIÇÕES
ATÉ 3 DE DEZEMBRO – “BORDADO EM MEMÓRIAS”

“Bordado em Memórias” mostra um panorama desse ofício e arte em Belo Horizonte entre as décadas de 1940 e 1960. A exposição, organizada a partir do edital Novos Pesquisadores, é baseada na pesquisa de mestrado de Isabella Brandão, que estudou a evolução do bordado em Belo Horizonte e sua relação com o posicionamento da mulher na sociedade. A exposição é composta por bordados e fotografias desse período. A entrada é gratuita, sujeita a lotação, e no horário de funcionamento do Memorial Vale.

ATÉ 8 DE DEZEMBRO – “O SUOR DA TESTA MORA DENTRO DOS MARIMBONDOS”
O Edital Novos Artistas no Memorial Minas Gerais Vale 2019 apresenta o trabalho do artista barranqueiro de Pirapora Davi de Jesus do Nascimento com a exposição “O suor da testa mora dentro dos marimbondos”. São obras feitas a partir de sua vivência às margens do rio São Francisco; entre elas, ossadas de peixes e fotografias da família com textos poéticos sobre as fotos. A curadoria é de Júlio Martins e o comitê de seleção foi formado por Maria Angélica Melendi, Wagner Tameirão, Gabriela Brasileiro e Gustavo Rodrigues. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial Vale.

ATÉ 6 DE FEVEREIRO – URBANUS
No dia 19 de outubro, sábado, às 11 horas, será aberta a exposição fotográfica Urbanus, com os trabalhos de Gustavo Dragunskis e Natália Lima. São fotos de momentos cotidianos em diversas cidades do mundo que revelam similaridades entre os lugares, apesar de pertencerem a contextos geográficos e sociais distintos. A exposição seguirá até o dia 6 de fevereiro de 2020 no espaço do Café do Memorial Vale. A entrada é gratuita e no horário de funcionamento do Memorial.

09/11 ATÉ 2 DE FEVEREIRO – EXPOSIÇÃO VOZES ATLÂNTICAS, DE THAÍS TANURE
No dia 9 de novembro, sábado, às 12h30, a pesquisadora Thaís Tanure, dentro do projeto Diálogos Com Novos Pesquisadores do Memorial Vale apresentará a exposição “Vozes Atlânticas”. Nessa mostra ela revela o que descobriu em sua pesquisa acadêmica sobre a ação da inquisição portuguesa no Brasil no século XVIII, dando pena de degredo para cidadãos que praticavam atos considerados heresia ou feitiçaria. O destaque da pesquisa é dado para dois africanos escravizados e trazidos para o Brasil – Luzia Pinta e José Francisco – que, por preservarem práticas de sua cultura – benzeções, curas com ervas, entre outras tradições – foram degredados para regiões distantes do Brasil e de sua pátria
original. A exposição mostra fotografias e objetos da época, contando os passos desses dois personagens nos lugares onde eles viveram e resistiram a toda a opressão portuguesa. Entrada gratuita, no horário de funcionamento do Memorial Vale. A exposição segue até o dia 2 de fevereiro de 2020.

ATIVIDADES EDUCATIVAS
O Educativo do Memorial Vale convida para novas experiências de aprendizagem, descoberta e encantamento em relação à arte. Para novembro as propostas são as seguintes:

Exposição “o suor da testa mora dentro dos marimbondos”
Aos domingos, de 11h às 12h, a partir da obra Davi de Jesus do Nascimento em exposição nas galerias 1 e 2 do terceiro piso do Memorial Vale, o Educativo convida os visitantes a refletirem e a experienciarem as memórias e os gestos presentes nessa mostra. A proposta é atrair a atenção para as subjetividades e potências dos corpos d’água e das vidas que habitam com eles. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Versinho em cena
Aos sábados, na sala Casa da Ópera, 14h às 16 horas, o Educativo do Memorial convida crianças e seus familiares a subirem no palco e fazerem leituras dramatizadas de textos de autores negros, em homenagem ao Mês da Consciência Negra. Por meio de imagens, adereços e textos a ação protagoniza as crianças e convida a brincar teatralizando. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Oficinas de Bonecas Abayomi
Aos sábados, no Espaço de Leitura, das 14h às 16 horas, nos dias 9 e 23 de novembro, o Educativo do Memorial fará oficinas de bonecas abayomis. Abayomi, termo que em Iorubá significa “encontro precioso” é também o nome dado a bonecas feitas com pequenos retalhos. Durante a viagem entre a África e o Brasil os escravos confeccionavam bonecas para reforçar sua identidade e etnia africana, além de oferecer um brinquedo símbolo de proteção e resistência para as crianças. A oficina propõe a confecção de abayomis e também conhecer a história de luta e resistência do povo negro escravizado. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Oficina Carimbori: Estamparia Simbólica e Turbantes
Nos dias 19 e 20 de novembro, terça e quarta-feira, de 13h30 às 16 horas, será realizada uma oficina de estamparia e de turbantes. Haverá muitas cores, símbolos adinkras (símbolos africanos, desenvolvidos por grupos culturais presentes em Gana, Costa do Marfim e no Togo, países da África do Oeste e representam conceitos e ideias expressas em provérbios), turbantes e um bate-papo sobre ancestralidade. Que tal conhecer um pouco mais sobre culturas africanas e seus símbolos de resistência? Cola com a gente! A oficina é voltada para maiores de 14 anos e é necessária inscrição prévia pelo telefone (31) 3343-7317. Crianças podem participar se acompanhadas de um adulto durante toda a ação educativa.

Instalação Educativa Sementes da Diáspora
No baobá que fica no Espaço de Leitura, estarão penduradas imagens de pessoas que são referência para a luta por direitos do movimento negro. Porque é preciso re-conhecer, conhecer para desmistificar, compreender, democratizar. Reconhecer para reverenciar e impulsionar. Re-conhecer para que o esquecimento não transforme em silêncio a bravura dos que ousaram defender o seu povo e sua ancestralidade.

Bebês Dentro do Museu: entre erês e cafunés.
Nos dias 7 e 24 de novembro, aos domingos, de 11h às 12 horas, será realizada uma atividade para bebês entre um e dois anos, inspirada na cultura africana e afrodescendente. Eles serão recebidos com alecrim e erva-doce, miçangas e cangas, tambores e caxixis, cheiros, texturas e sons brasileiros. Para participar é preciso a presença de pelo menos um adulto com cada criança durante toda a atividade. Não é necessária inscrição prévia, é só chegar e participar.

Visita com o Kit Trilha da Infância
A criançada pode “explorar” o Memorial de maneira mais divertida e interessante. Peça o Kit na Recepção. Ao final da visita, ele deve ser devolvido para que outras crianças possam vivenciar essa experiência.

SERVIÇO
Programação de NOVEMBRO do Memorial Minas Gerais Vale
ENTRADA GRATUITA, sujeita a lotação das salas

MEMORIAL MINAS GERAIS VALE
Endereço: Praça da Liberdade, 640, esq. Gonçalves Dias
Horário de funcionamento: terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 17h30, com permanência até18h. Quintas, das 10h às 21h30, com permanência até22h. Domingos, das 10h às 15h30, com permanência até16h.
http://www.memorialvale.com.br

Anúncios