Logo

Ala Podes Crer da Banda Santa

Contar histórias é como fazer um bordado, é só traçar um fio que outros vão aparecendo. Assim foi só falar da história da Banda Santa em uma reportagem com o Lelinho, (Santa Tereza Tem Memória) um dos fundadores do bloco,  que outros “causos” foram surgindo, como as fotos e lembranças enviadas pela Cândida Lacerda.

Ela conta, que a Banda Santa despertou em muita gente a alegria em participar do carnaval em Santa Tereza, como a galera da Rua Barão de Saramenha. “Nossa turma, todos vizinhos e alguns amigos de outros bairros, resolveu sair no bloco, com ala Podes Crer, fantasiando-nos de hippies, . Para isso, entre uma cerveja e outra, no Bar do Lima, a gente se reunia para fabricar as perucas. Parecia um encontro de bordadeiras do Nordeste, tecendo nos passeios”, descreve Cândida.

O Bar do Lima, ela relembra, funcionava em uma garagem, em frente ao
ao prédio de número 472. Edifício Saragosa. “Os donos da casa não tinham carro, então alugaram a garagem para o bar. Era uma farra só”.

Quem aí participou aí da Ala Podes Crer?
Fotos do acervo de Eva Lacerda, irmã de Cândida, que por sinal não está em nenhuma das fotos.

Anúncios