Logo

CineClube Aranha no MIS Santa Tereza

O MIS Cine Santa Tereza, no projeto CineClube Aranha, apresenta Madeline Anderson.

A primeira sessão do Aranha de 2019 apresenta dois curtas de uma diretora ainda inédita no Brasil, Madeline Anderson. A sessão será nesta terça, 12/3, às 19h30, com entrada franca.

 Serão exibidos “Relatório de Integração 1” e “Eu sou Alguém”. Como é tradicional nas sessões de CineClube Aranha, após a exibição, para os interessados, haverá comentário sobre os filmes. Nesta noite, a análise será feita por Yasmine Evaristo.


Madeline Anderson

Yasmine Evaristo é artista plástica e graduanda em Letras no CEFET-MG. Pesquisadora sobre cinema e é colunista dos veículos Entrando Numa Fria, Plano Aberto e Clube da Poltrona e integrante do Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema.

Sobre os filmes

Relatório de Integração 1, de Madeline Anderson (Integration Report 1, EUA, 1960) | 12 anos | 20’
Sinopse: O filme examina a luta pela igualdade dos negros no Alabama, Brooklyn e Washington, DC, incorporando imagens de Albert Maysles e Ricky Leacock, canções de protesto de Maya Angelou e um discurso histórico de Martin Luther King Jr.
Em 2015, o Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana oficialmente reconheceu o “Relatório de Integração I” como o primeiro documentário a ser dirigido por uma mulher afro-americana.

Eu sou alguém, de Madeline Anderson (I am somebody, EUA, 1970) | 12 anos | 30’
Sinopse: Em 1969, trabalhadoras negras de hospitais em Charleston, na Carolina do Sul, entraram em greve por reconhecimento sindical e por um aumento salarial, apenas para se verem em confronto com o governo estadual e a Guarda Nacional. Apresentando Andrew Young, Charles Abernathy e Coretta Scott King e produzido pela Local 1199, a União de Drogas e Hospital de Nova York, “Eu sou alguém” é um documento crucial na luta pelos direitos trabalhistas


Quem é Madeline Anderson

Nascida em 1923, é uma cineasta norte-americana, produtora de televisão e documentário, diretora de cinema, editora e roteirista. Anderson cresceu em uma área pobre, em Lancaster, Pensilvânia , onde desenvolveu paixão pelo cinema e pelo ensino.

Aos sábados, frequentava regularmente os cinemas com a família e os amigos. Durante essas exibições, Anderson sentiu que os filmes que ela viu não refletiam sua realidade.  Ela queria ver verdadeiros afro-americanos com os quais ela pudesse se relacionar. Tarefa árdua, pois, naquela época uma mulher negra não podia aspirar a ser uma cineasta de Hollywood.

Primeiro ela se formou na JP McCaskey High School em 1945 e se matriculou no Millersville State Teacher’s College para buscar o ensino como uma carreira. Foi a segunda aluna negra admitida em Millersville e a entrar na faculdade, onde ela experimentou racismo e assédio principalmente de jovens homens brancos. Não suportando esses assédios abandonou a faculdade.

Mudou-se para Nova Iorque e entrou apara University (NYU), onde obteve seu diploma de bacharel em psicologia.

Enquanto estudava passou a trabalhar como babá na casa de Richard Leacock, um conhecido documentarista britânico e pioneiro em Cinema Direto e Cinéma vérité. Lá ela falou sobre seu desejo de tornar uma cineasta e teve apoio de Richard Leacock, com quem teve suas experiências na produção e direção de filmes.

Depois de completar seu primeiro filme, o Integration Report One, frequentou cursos no Museu de Arte Moderna com o objetivo de aprender todos os aspectos do cinema moderno.

SERVIÇO
CineClube Aranha – Madeline Anderson
Local: MIS Cine Santa Tereza – Rua Estrela do Sul, 89 – Santa Tereza
Hora: 19h30
Entrada franca

Anúncios